Lutar ou Fugir? Qual a sua estrategia? Lutar ou Fugir? Qual a sua estrategia?

Qual a sua estratégia? Lutar ou Fugir?

1 de de setembro 2017 por

Qual a sua estratégia? Lutar ou fugir?

O que nos faz escolher entre essas duas opções?

Seria a defesa o melhor ataque ou o ataque a melhor defesa?

Qual seria a escolha ideal: enfrentar como opção para vencer ou dar um passo atrás para fortalecer as soluções?

O nosso cérebro tem forte influência nesse processo, pois essas são duas das estratégias que ele aprendeu e garantiram a nossa sobrevivência até os dias de hoje.

O Ser Humano tem por característica querer preservar o que tem, quando percebe o risco de perder em detrimento de ganhar mais.

Outro fator importante são os nossos filtros internos, que ficam presos aos nossos sentimentos, como: a autoimagem (como nos vemos), nossas crenças (aquilo em que acreditamos) e os nossos valores (nossa bússola de conduta em relação a nós mesmos, aos outros e a sociedade).

Lutar ou fugir?
Mas e quando não sabemos o que fazer e nos sentimos paralisados?

Paralisar é outra estratégia que o nosso cérebro utiliza e está ligada a nossa sobrevivência. Quantas vezes uma discussão simplesmente termina quando ficamos apenas em silêncio.

Muitas vezes confundimos a estratégia de paralisar com entregarmos o volante de nossa vida nas mãos de terceiros.

Observe em sua vida os momentos que o levam a sempre tomar decisões semelhantes para problemas parecidos, sejam respostas de fuga, de ataque ou quando se sente paralisado.

Quando se perceber nessa situação novamente, tome uma atitude diferente, não haja por impulso:

Pense na situação;
Pare (dê um tempo pra você);
Examine a situação (imagine-se distante dela, se ainda assim sentir uma sensação estranha no corpo afaste-se mais um pouco dessa situação, como se não fosse você que estivesse passando por ela);
Negocie opções e novas estratégias (utilize suas habilidades, dons e talentos);
Selecione a melhor solução;
Agora sim!

Siga em frente novamente com esse novo posicionamento.

A consciência e o autoconhecimento de cada passo dado por você são os fatores que determinaram o sucesso de suas ações.

Se necessário utilize estratégias que já deram certo em sua vida em algum momento ou que deram certo com pessoas que você admira e tem coisas em comum com você.

Atacar, fugir ou paralisar são estratégias que usamos há muito tempo, são frutos de nossa origem e sua aplicação depende do nosso poder de observação e análise, percebendo o que fazer em cada momento.

Seria fuga, a saga que envolveu o Cavalo de Tróia, ou uma decisão de ataque, inteligente e inovadora, que utilizou a surpresa e o excesso de confiança do adversário para conquistar o sucesso?

Ainda hoje, se associa fuga à derrota. Ela estaria ainda ligada ao erro, a culpa e ao medo. Como se não nos permitíssemos aprender com a experiência da situação, como se viéssemos desde sempre com um manual de instruções.

A máxima “Mil acertos nenhum elogio, um erro mil acusações” continua forte, seguindo a tendência do apontar o dedo para ilustrar as falhas, ao invés de se prestar atenção nas evidências, analisando as conclusões e os resultados, para que em outra oportunidade possamos mudar o final.

As estratégias de fuga ou ataque estão como pano de fundo da sobrevivência da nossa espécie, e para serem potencializadas podemos associa-las aos nossos dons e virtudes, que usados de forma eficaz, podem nos levar a maximizar os nossos desejos, transformando-os em realidade.

Como percebemos não são as ações, as responsáveis pelos resultados e sim o planejamento dessas atitudes, de forma evolutiva, concreta, porém não estática, valorizando as variáveis e compondo com inteligência as novas soluções, adaptando-se a situação de forma positiva, vivendo a experiência.

Cobrar a perfeição e vender soluções é mais fácil, do que, participar da construção do conceito da aprendizagem, que permitiria replicar com sucesso em várias outras oportunidades, a experiência vivida.

Aprenda com seus acertos e também com seus erros, não deixe que as pedras do seu caminho transformem-se em barreiras; construa pontes com elas e ligue os desafios de sua vida às oportunidades surgidas.

Crie um pensamento análogo, unindo coisas diferentes, para buscar soluções inovadoras e criativas, observe as pequenas nuances e variações, o clima e o momento, seus comportamentos e habilidades. Preste atenção no que é importante pra você e no que acredita, lembre-se de quem é e do que quer pra si e para os outros.

Esse simples olhar interno e externo lhe trará forças e recursos que estão dentro de você.
Quando se sentir limitado, una-se a quem pode te ajudar e tenha o pensamento, os valores e os objetivos em comum ao teu.

Trabalhar em equipe também é uma das nossas melhores estratégias, prestar atenção na habilidade de terceiros, nos torna mais fortes, a admiração é uma das mais importantes qualidades.

Esse processo de crescimento chama-se consciência e autoconhecimento e está ligado ao nosso livre arbítrio.

Portanto escolha as suas estratégias com sabedoria.


Psicólogo Positivo – Administrador – Master Coach – Palestrante – Especialista em Neurofeedback – Consultor Sebrae – Professor MBA Univ. Católica de Petrópolis (UCP)

Deixe Seu Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

Translate »