Setembro é o mês oficial da conscientização sobre seguro de vida. É também o mês do meu aniversário e eu sou #apaixonada por seguro de vida. Que coincidência!

Eu adoro o processo de conscientização, de destruir mitos e substituir a informação errada por informação correta. Hoje vamos derrubar 7 mitos sobre os seguros de vida.

Prometo que vai ser interessante, leia até o final e me diga o que você achou. Você acreditava em algum desses mitos?

#1 Seguro de vida é caro.

Quem não tem seguro de vida acredita que ele é até 3 vezes mais caro do que na realidade. Acredito que a explicação para esse mito vem de 2 fatores:

  1. Os valores de benefícios de seguro de vida são altos, dificilmente menos de $100,000 e comumente na faixa de $500,000 a $1,000,000. Logo, para receber um benefício tão alto devo pagar caro, certo? Errado!
  2. As pessoas formam uma percepção baseada na comparação com o valor da prestação de outros tipos de seguro. Por exemplo, eu pago $160/mês pela cobertura dos meus 2 carros por 6 meses. O valor combinado dos meus dois carros não chega nem a $100,000 portanto para ter um seguro de vida de $500,000 deve ter muito mais caro. Mas não é assim que funciona. Uma das minhas apólices com $500,000 de benefício me custa $44 por mês.

#2 Não posso ter seguro de vida por causa do meu status imigratório.

Mito muito comum na comunidade brasileira. A verdade é que existem opções de seguro de vida para que tem status imigratório temporário (visto de estudante, por exemplo) e até mesmo irregular (indocumentado).

O importante é procurar um profissional competente que vai usar a companhia e apólice correta para cada caso, e não “dar um jeitinho” colocando em risco o pagamento de um possível benefício no futuro.

#3 Não adianta ter seguro de vida porque não vai ser pago.

  1. Esse é mais um mito/medo comum entre os brasileiros, novamente por 2 fatores:
    No Brasil, as apólices de seguro de vida eram conhecidas pela sua longa lista de exclusões (situações em que o benefício não seria pago). Aqui nos Estados Unidos as exclusões são muito limitadas por lei (a mais comum é suicídio nos primeiros 2 anos da apólice). A lei defende o segurado (salvo em caso de fraude comprovada) e em caso de dúvida na linguagem do contrato, este deve ser interpretado a favor do segurado.
  2. 2. As pessoas têm medo da situação financeira da seguradora e de que venha a “falir” antes de o benefício ser pago. A verdade é que as empresas seguradoras estão dentre as mais regulamentadas do país. No caso de uma empresa seguradora entrar em apuros financeiros, não pode simplesmente declarar falência e “cair fora” das obrigações com os segurados. Nesse caso, o estado intervém e transfere as apólices para outras seguradoras.

#4 Não preciso de seguro de vida porque não tenho dependentes.

Esse mito vem da crença de que seguro de vida = benefício no caso de morte. E se não vou “deixar para trás” ninguém que dependa financeiramente de mim, logo não preciso de seguro de vida. Mas essa percepção é desatualizada.

Hoje em dia, as melhores seguradoras oferecem apólices com benefícios em vida. E o que seria? A capacidade de utilizar parte do benefício que, antigamente seria somente no caso de morte, também no caso de doenças graves como câncer, ataque cardíaco ou derrame, por exemplo.

Nessas situações, onde a pessoa geralmente tem uma interrupção na renda e um aumento nas despesas, o seguro de vida pode entrar como uma grande ajuda com as contas que, infelizmente, não param de chegar.

Temos casos na nossa empresa em que o dinheiro vindo desse tipo de seguro possibilitou um tratamento que não era coberto pelo seguro de saúde e terminou por salvar a vida da segurada.

#5 Somente a pessoa que sustenta a família precisa de seguro de vida.

Vou atacar esse mito com uma estória.

Numa família jovem o pai trabalha e a mãe cuida dos filhos pequenos. Na hora de fazer o seguro de vida, decidem segurar somente o pai pois ele é quem traz a renda. Poucos anos depois, a mãe, apesar de muito jovem, é diagnosticada com câncer. Por causa do tratamento ela fica debilitada e não pode cuidar das crianças o tempo todo.

O pai, que precisa trabalhar para continuar pagando as contas da casa, contrata alguém para cuidar das crianças por uma parte do tempo. Isso custa dinheiro. Depois de um tempo, ele mesmo precisa reduzir a sua jornada de trabalho para cuidar da esposa. Isso reduz a renda da família no pior momento possível.

Eventualmente, a mãe se recupera, o que é uma grande vitória, mas as finanças dessa família estão arruinadas. Qualquer economia foi embora, surgiram dívidas e nos piores casos, perderam a própria casa ou precisaram declarar falência.
Acontece todos os dias em diferentes versões. Uma apólice com benefícios em vida teria ajudado essa família a passar pela tempestade sem o stress financeiro e preservando as economias para o futuro.

#6 Não posso ter seguro de vida por causa de um problema de saúde atual ou no passado.

Muitas pessoas acham que um problema de saúde impossibilita a aquisição de um seguro de vida. Talvez sim, talvez não. O pior é que muitas vezes formaram a opinião a partir do comentário do vizinho que falou que a prima da amiga dele não conseguiu fazer um seguro por causa da mesma condição. Mas não procuram o profissional qualificado para fazer uma simples pergunta do tipo: “Tive câncer há 8 anos, mas estou bem, é possível fazer um seguro de vida? ”

Os departamentos de análise de risco das seguradoras analisam as aplicações individualmente. Cada caso é um caso. Até mesmo casos de câncer podem ser considerados depois de 2 a 5 anos.
É um caso clássico de “não custa perguntar” (a um profissional, não ao vizinho!) e que pode trazer um grande benefício.

#7 Seguro de vida atrai a morte.

De verdade. Juro. De vez em quando ainda ouvimos isso…


Na nossa empresa, todo mês é de conscientização e educação financeira com as nossas palestras gratuitas. Venha nos visitar na próxima.

https://money101online.leadpages.co/money101-portugues/


Quer saber mais sobre Finanças? Curta nossa página do Facebook.

Sobre Marina Couto

AvatarMarina Couto fundou, ao lado de seu marido Gustavo Couto, a primeira agência da Five Rings Financial na Flórida. A missão da sua empresa de consultoria financeira é ensinar as pessoas sobre finanças, oferecendo informação relevante e as ferramentas mais eficazes para a construção de um futuro financeiro seguro. Contato por email: marina@fiveringsflorida.com ou telefone: 561-929-1089

1 Comment Leave a comment

  1. Andrea September 20, 2016 Subscriber

    Amei as informacoes Marina. Parabens foi rapida e objetiva!

    Te vejo amanha
    bjs 🙂

Leave your comment